Trabalhando pesado no exterior! (parte 3)



“Muitos brasileiros querem sair do país com o sonho de trabalhar na área, mas infelizmente não é assim na grande maioria dos casos.”

Com esta frase comecei a primeira parte dessa série que fala de trabalho no exterior.

Cerca de três anos depois que deixei de vez o Brasil, depois de muita luta, acabei conseguindo algo muito díficil para a maioria dos brasileiros que se aventuram pelo mundo.

Em dezembro (2008) completarei 1 ano trabalhando na minha área, em uma empresa multinacional e com respeito e reconhecimento de todos.

Sou formado em Design de Multimídia pelo Senac-SP. Mas não foi tão simples assim chegar na Suíça e já encontrar trabalho com o que estudei e sempre quis trabalhar.

Como tinha chegado da Austrália pensava sempre em arrumar um trabalho como lá, em bares ou restaurantes ou qualquer outro tipo, até porque todos amigos brasileiros aqui trabalham como pintor, pedreiro e etc.

Com a permissão de trabalho na mão e com um italiano básico (aqui é a parte que falam italiano da Suíça) cataloguei todas as agências de publicidade e empresas da área e preparei o currículo.

Curso superior aqui conta muito, mas não é tudo. Eles dão sempre preferência para quem estudou aqui ou ao menos fez um curso aqui na área.

Mandei um monte de e-mails com alguns dos meus trabalhos e não tive nenhuma resposta. NENHUMA, nem para dizer que não precisavam de alguém!

Por sorte me cadastrei também em duas agências de emprego e uma delas me telefonou alguns dias depois perguntando se eu poderia ir lá fazer uma entrevista, porque tinha uma vaga com meu perfil para um empresa aqui da região.

Explicaram como era o trabalho, os programas que eu deveria usar e lógico que disse que usava todos. Mesmo que, na verdade, nunca tinhesse trabalhado com um dos programas. Peguei um curso e comecei a estudar!

Uns dias depois fui na empresa conversar e eles disseram que a vaga era minha! Começaria no início do outro mês. Mas com contrato temporário de 3 meses e sem nenhuma garantia de prorrogar.

Mas mesmo com todas dificuldades tentei aprender o máximo possível. Nunca esperei que me pedissem alguma coisa, fui logo criando várias coisas e assim ganhando a confiança da minha chefe.

A GE (General Electric) é uma empresa americana com sedes em todo o mundo. Uma vitrine gigante onde as changes de crescer são grandes.

Hoje, quase um ano depois de começar, estou feliz. Mas ainda não tenho contrato fixo. Em fevereiro devem decidir o meu futuro.

Mas, como nunca fui – e nunca serei – acomodado, continuo estudando e fazendo outros contatos. Quem sabe encontre até um emprego melhor, já que as vezes trabalhar na área já não basta.

Qualquer tipo de trabalho exige força de vontade e luta. Não sobra muito tempo livre, mas o tempo que tenho aproveito para estudar e aprender alguma coisa nova todos os dias. Abrindo mais portas para quem sabe escrever a quarta parte dessa série falando de um novo emprego.

Não tenha medo de tentar, de pedir, de insistir. Nunca pense que você não seja capaz de aprender uma coisa nova. Arrisque, que o mundo conspirará ao teu favor!

> leia a primeira e a segunda parte da série!

PAZ e boa semana!
Michel P. Zylberberg
www.rodandopelomundo.com

Curta e siga:
Avatar

Michel Zylberberg

Criei o blog em 2006 para compartilhar as minhas andanças pelo mundo, já rodei por mais de 20 países e gosto de incentivar as pessoas a conhecerem o que esse mundão maravilhoso tem a oferecer! Conto com a colaboração de amigos e convidados para poder trazer um conteúdo relevante e interessante, sempre junto com a minha grande paixão - a fotografia.