Rodando pelo mundo dos livros I



Domingão, deitado no sofá com uma provável ressaca e com a televisão sintonizada em um canal qualquer…
Esta pode ser a descrição de muitas pessoas, para as quais domingo é sinônimo de uma leve depressão.

Não só nos domingos o tédio pode tomar conta. Quando o computador e o videogame também enjoam, que tal ler um livro?

Eu já viajei muito, mas continuo a viajar um pouco todos os dias lendo livros sobre outras culturas e lições de vida.
Nas minhas últimas férias devorei alguns livros, dos quais indico e compartilho com vocês:

livros

Onze Minutos (2003): Paulo Coelho usa uma linguagem bem simples para falar sobre uma jovem que, aliciada pela promessa de uma vida melhor, parte para a Europa em busca de sucesso. Acaba tornando-se prostituta, explora e esforça-se por explicar o inexplicável daquela vida. Retoma, de um modo bem interessante, a história de muitas brasileiras que estão aqui na Suíça. Eu li a versão em inglês, para quem quiser estudar a língua, fica a dica: “I wrote this book in order to discover whether I had had the courage to learn everything life had taught me in this respect.” – Paulo Coelho

Os outros três livros eu li em italiano, mas talvez já tenham sido publicados no Brasil. Têm estilos parecidos, tratando de violência, pobreza, guerra e sonhos:

O menino com as pétalas no bolso – Anosh Irani (Pime 2008)
É uma história triste, porque fala de infância abandonada e de sofrimento, ainda que comovente, porque ensina a ainda acreditar na inocência e no sonho. Chandi tem 10 anos, e sempre viveu, protegido e nutrido, em um orfanato na periferia de Bombai. Uma cidade ferida das lutas politicas e religiosas entre induístas e muçulmanos no início dos anos 90.

Kualid, aquele que não conseguia sonhar – Vauro Senesi (2007)
Kualid vive com a sua mãe e seu avô na periferia de uma Cabul (Afeganistão) dominada dos talibanos e devastada das guerras. Há dez anos, um olhar esperto e ajuda sua família cobrindo com uma pá os buracos da estrada para Jalalabad, esperando uma moeda de recompensa dos caminhões que passam. Será a descoberta de um mundo diverso que permitirá a Kualid de conseguir finalmente sonhar. “Tudo escuro. Uma escuridão tão densa que lhe parecia poder tocá-la. Kualid havia apenas aberto os olhos, às vezes, acontecia-lhe acordar em plena noite”.

Três taças de chá – Greg Mortenson e David Oliver Relin (2006)
Quando Greg Mortenson, americano com a paixão pelas montanhas, chega na região do Karakoram, no Paquistão, deciso a escalar o K2, não poderia imaginar o que o destino havia realmente reservado para ele. O que esperava por ele naquelas terras remotas tinha uma missão bem mais ambiciosa do que conquistar o segundo pico mais alto do mundo: um desafio que mudará sua vida e também a de milhares de pessoas.

Bom, devo assumir que nunca fui um leitor de livros muito assíduo. Mas finalmente aprendi que ler é sempre bom. Tanto para passar o  tempo, quando para passar a insônia e para rodar por lugares no mundo onde provavelmente nunca iremos.

E você, por onde tem viajado?

Abraços, muita paz e boa semana,

Michel P. Zylberberg
www.rodandopelomundo.com

Curta e siga:

Michel Zylberberg

Criei o blog em 2006 para compartilhar as minhas andanças pelo mundo, já rodei por mais de 20 países e gosto de incentivar as pessoas a conhecerem o que esse mundão maravilhoso tem a oferecer! Conto com a colaboração de amigos e convidados para poder trazer um conteúdo relevante e interessante, sempre junto com a minha grande paixão - a fotografia.