A segurança que esquecemos de ter



Quando foi a última vez que você se sentiu completamente seguro? Sem medo de nada e ninguém? Qual foi a última vez que você viu crianças brincando completamente livres pelas ruas? Você já foi assaltado?

Passei a minha infância em uma cidade tranquila do interior de Minas Gerais, mas que agora não é tão tranquila assim. Eu podia fazer o que quisesse, tinha liberdade total para andar de bicicleta em dias de chuva… pular de casa em casa brincando de pique-esconde… e não lembro sequer uma vez em que meus pais foram me procurar preocupados comigo. Era seguro.

Casa suíça

Casa suíça

Ontem estava rodando aqui pela minha cidade (atualmente moro na Suíça) e percebi que é como a minha cidadezinha mineira de anos atrás. Nada de grades, nada de muros altos, nada de alarmes, guaritas, guardinhas e vigias noturnos. Nem mesmo as casas com a porta para a rua têm proteção. Apenas portas e janelas de vidro ou de madeira. É seguro.

Outra casa suíça

Outra casa suíça

Quando estive no Brasil pela última vez me senti como se caminhasse em meio a prisões. Todo mundo cumprindo pena em prisão domiciliar. Não só no Brasil, como em tantos outros países. Os bandidos rodam tranquilos pelas ruas enquanto nos escondemos atrás de cercas elétricas, câmeras de segurança e portões duplos. Insegurança.

Não quero criticar o nosso país. É uma crítica cultural, porque infelizmente nos acostumamos e aceitamos essa guerra civil que mata tanta gente inocente todos os dias. Quem tem dinheiro para ter um carro blindado compra. Senão coloca adesivo espelhado nos vidros. Uma paranóia coletiva que constrói uma sociedade solitária e egoísta. Revoltante.

Bar Carioca, também na suíça

Bar Carioca, também na suíça

Nesse passeio por aqui também passei pelo tranquilíssimo Bar Carioca, que fica perto de casa. Eu sou carioca, da gema. Mas sinto um medo meio que inconsciente todas as vezes que estou “na minha casa”, aos pés do Cristo. Lei do cão, lei dos homens, lei de Deus. Quem te protege? Quem você quer proteger? Tem alguém te seguindo? Medo.

Por que só os inocentes morrem? Quem são os senhores dessa guerra? Talvez um dia reencontraremos a paz e a segurança que esquecemos de ter. Enquanto isso proteja-se bem dentro da tua prisão e – se possível – faça tudo online. Apesar de que nem no mundo virtual estamos seguros. Merda.

Grande abraço e muita paz (mais do que nunca!)!

Michel P. Zylberberg
www.rodandopelomundo.com

Curta e siga:

Michel Zylberberg

Criei o blog em 2006 para compartilhar as minhas andanças pelo mundo, já rodei por mais de 20 países e gosto de incentivar as pessoas a conhecerem o que esse mundão maravilhoso tem a oferecer! Conto com a colaboração de amigos e convidados para poder trazer um conteúdo relevante e interessante, sempre junto com a minha grande paixão - a fotografia.