Futuro (em construção)



É difícil imaginar o futuro, até mesmo o dia de amanhã. A não ser que seus dias sejam sempre iguais – o que nunca foi meu caso.

Sempre fui um amante do caos, da imprevisibilidade, das doces coincidências do destino. E sempre serei. Até mesmo porque não conseguiria ser feliz se não fosse por essa “loucura”.

Não sou um paranoico que se acha Deus, mas escrevi por linhas tortas um destino que me está trazendo um monte de coisas boas!

Alguém pode gritar sarcasticamente: “você é um desempregado morando no exterior e ainda acha que é coisa boa?” – sou não, era! Tomei a difícil decisão de largar um emprego fixo e acabei encontrando outro melhor!

Larguei emprego, assim como também mudei algumas vezes de faculdade, como mudei de cidades, países… me joguei no mundo, seguindo um instinto que não ouso mais contrariar.

Cada passo meu é incalculável, imprevisível. Não piso em pegadas, deixo as minhas. Descalço, em contato com essa mística energia que nos cerca e que – infelizmente – muita gente não percebe.

Não é um monólogo careta ou revolucionário, é só um pequeno sinal de que minha vida está prestes a mudar radicalmente e – como sempre – estou aberto de corpo e alma aos próximos desafios!

Talvez você esteja se perguntando se este não é um blog de viagens. É sim, mas odeio rótulos e padrões. Sou um apaixonado em viagem mental, de abrir novas vias e encarar novos limites.

O discurso de aproveitar o momento é chover no molhado. Mas ainda sim repense um pouco como foi e como está sendo a tua vida, quem sabe você ainda pode mudar o “como será?”.

Desastres como as enchentes no Brasil demonstram que a vida é muito frágil e que infelizmente também dependemos de fatores externos para seguirmos em frente. Seguir em frente também o sentido que os que ficaram precisam se apoiar para continuar lutando. Mais do que aproveitar o dia, valorize-o!

Agradeço a tua visita, por compartilhar um pedacinho do meu mundo que se reflete nesse blog. Eu procuro sempre fazer o bem, porque assim sei o que vou colher mais pra frente.

“Você não sabe / O quanto eu caminhei / Pra chegar até aqui.
Percorri milhas e milhas  / Antes de dormir / Eu não cochilei”

Cidade Negra

Eu vejo o futuro… porque estou construindo o meu!

Michel P. Zylberberg
www.rodandopelomundo.com

Curta e siga:

Michel Zylberberg

Criei o blog em 2006 para compartilhar as minhas andanças pelo mundo, já rodei por mais de 20 países e gosto de incentivar as pessoas a conhecerem o que esse mundão maravilhoso tem a oferecer! Conto com a colaboração de amigos e convidados para poder trazer um conteúdo relevante e interessante, sempre junto com a minha grande paixão - a fotografia.