Os desafios e dificuldades de aprender novas línguas estrangeiras



POST PATROCINADO

Lembro que quando era garoto e ouvi falar que o Jô Soares falava cinco línguas achei uma coisa incrível, algo quase impossível para as “pessoas normais”. Eu já me impressionava quando ouvia alguém falando outro idioma fluentemente, pois eu havia só uma pequena base de inglês e entendia um pouco de espanhol. Lembrei dessa história quando alguns dias atrás recebi da Lonely Planet Brasil (Globo Livros) os cinco novos guias de conversação com vocabulários e frases em Espanhol, Inglês, Francês, Italiano e Alemão. Com certeza serão meus fiéis companheiros nas próximas aventuras!

Você sempre sonhou em cair no mundo e aprender novas línguas? Para viajar sem gastar muito a dica é ficar atento à sites que oferecem cupons de desconto para serem utilizados antes de fazer a compra no site das empresas. O Cuponation, por exemplo, é um portal de vouchers de desconto gratuitos que podem ser acessados de maneira bem fácil e o que é melhor, sem custo algum. Vale ficar ligado na seção de viagens do site, que quase toda semana publica cupons para grandes empresas como a TAM, por exemplo.

Acredito que o Brasil fique prejudicado por ser tão grande, com boa parte do nosso território não tendo fronteiras com outros países e culturas. E hoje, morando na Europa, vejo que isso também acontece na Itália, são dois casos muito parecidos. Mas existe também a má vontade do governo com o sistema educacional (ok, abandono…), o que prejudica ainda mais o aprendizado de outras línguas. Claro que a internet ajuda a derrubar essas barreiras e facilita o estudo, mas depende de cada um batalhar e praticar. Existe, por exemplo, essa série de vídeos do Rafael Lanzetti  – brasileiro que domina 11 idiomas – no YouTube.

Se quiser diminuir o aperto, ainda mais com tantos eventos internacionais e muitos gringos passeando pelo Brasil nos próximos anos ou sempre mais viagens internacionais, os Guias de conversação da Lonely Planet Brasil (Globo Livros) podem ser uma boa pedida! São 272 páginas (cada um) divididas em básico, prático, social, viagem segura e alimentação. O preço é bem mais em conta do que passar aperto nas viagens, cada um custa apenas R$ 19.90.

E aí, quantas línguas você fala? No Brasil – infelizmente – falamos uma, máximo duas ou três. Já aqui na Suíça as respostas mais comuns são três, quatro, cinco ou até mais. Eu sei, eu sei, a Suíça é um ovo e está cercada por países com diferentes línguas. A terra do chocolate tem quatro línguas oficiais e o inglês que também é falado por boa parte da população. Claro que você não vê crianças aqui falando cinco línguas, ia ser uma coisa de louco. O aprendizado da língua depende da região, eu moro na parte italiana e aqui pouca gente fala alemão fluente. Brincam que aqui é mais Itália do que Suíça, pois existe esse problema da pouca fluência em outras línguas.

Um exemplo que posso dar é o da minha esposa, que é de família italiana, mas foi criada em Zurique – na parte alemã. Ela fala italiano, alemão, suíço-alemão, francês, inglês, aprendeu bem o português e entende bastante espanhol. E a coisa mais louca é que ela mistura as línguas quando fala com amigos que falam as mesmas línguas! Uma verdadeira salada mista! E a nossa filha vai acabar aprendendo muitas línguas também.

Quando cheguei aqui na Suíça morei em Zurique e foi um verdadeiro choque com o alemão / suíço-alemão (teoricamente são duas línguas parecidas, mas existem muitas diferenças). Eu tinha uma boa base de inglês e foi o que me ajudou, mas acabei bloqueando completamente e consegui aprender poucas palavras nos meus primeiros anos aqui. Tanto que decidimos mudar para parte italiana e aí a coisa mudou. Em poucos meses eu já entendia tudo e falava bastante – cometendo muitos erros, mas falava! Começo a sentir a necessidade de aprender outra língua, será que tomo finalmente coragem para encarar o tal do alemão?

Acho que uma das piores coisas que existem na vida é estar com um grupo de pessoas e não entender uma palavra sequer do que elas falam. Não poder interagir. Eu sempre me sinto um idiota, um ignorante, analfabeto. Não me conformo de não poder comunicar, interagir. Mas uma outra língua não se aprende da noite para o dia, é preciso muita dedicação, estudo e esforço. E prática, muita prática! E foi por isso que convidei alguns amigos para participarem desse post contando como foi a experiência deles ao aprender uma outra língua, quem sabe pode inspirar você a encarar um novo desafio:

ALEMÃO: Para quem nunca ouviu alguém falar alemão, é como se essa pessoa estivesse falando uma outra língua qualquer como chinês, japonês ou polonês. Mesmo com muito esforço e mesmo falando inglês não dá para entender nada. Assim eu cheguei na Suíça em 1994. Os primeiros meses e o primeiro ano foram de grande aprendizado e grandes dificuldades. Muitas foram as festas ou jantares que eu fui e nos quais todos riam das piadas contadas e eu nada entendia. O começo em um país com uma língua tão diferente da nossa é mesmo muito difícil. Meu primeiro emprego em Zurique foi de meio período em uma loja de departamentos. De manhã eu estudava alemão intensivo (diariamente quatro horas) e a tarde e a noite eu trabalhava vendendo Barbie´s e carrinhos na sessão de brinquedos. Um trabalho que não exigia muito conhecimento da língua já que os produtos não são muito complicados. Mas eu me lembro de muitas ocasiões em que eu ouvia o que o cliente queria (em suíço-alemão), memorizava e corria para minha colega que falava espanhol para que ela traduzisse pra mim. E assim passei seis meses por lá e quando eu me demiti eles ficaram tristes, então acho que não devo ter feito tão mal. Mas vender Barbie nunca foi o meu sonho. Um ano mais tarde comecei um estágio em um banco e o alemão já estava bem melhor, mas a “luta” com essa língua difícil continuou e continua até os dias de hoje. Eu falo o suíço alemão quase com perfeição e escrevo bem em alemão, mas eu nunca parei de estudar. Ano passado eu fiz vários cursos de gramática e de escrita. Eu acho que um dos pontos importante para se integrar mais rapidamente é dominar a língua e isso só é possível estudando muito e sempre. É preciso ter paciência consigo mesmo, não ter vergonha de falar, ler bastante, assistir televisão em alemão e ser igual um papagaio: imitar quem fala bem. Assim você vai conseguir diminuir o sotaque carregado que nós temos ao falar essa língua complicada, que cá entre nós: para os nossos ouvidos mimados com a doce melodia do português, ela poderia ser mesmo chinês, japonês ou polonês que não faria a menor diferença!
[ Claudia Boemmels | @EuSeiOnde | Blog Eu Sei Onde ]

PESQUISAR AS MELHORES OFERTAS COM O BOOKING.COM

ITALIANO: O italiano foi bem mais fácil de aprender, se comparado ao inglês, por exemplo. Eu já conhecia algumas palavras porque sou descendente de italianos e na região onde minha família mora, muitos ainda usam expressões do dialeto vêneto. E dá pra associar muito com o português e o espanhol (que aprendi um pouco de ouvido, por morar perto do Uruguai e da Argentina). Seis meses antes de viajar pra morar na Itália eu fiz aula particular de italiano para treinar a gramática e o vocabulário, foi o suficiente para chegar lá desenrolada. Mas certamente o que fez a diferença foi a interação com os próprios italianos. Lá, dava um jeito de conversar com todo mundo… no trem, no supermercado, no banco, na feira… Com certeza o maior aprendizado se faz in loco. E outra dica: Não tenha medo e fale sem vergonha. Peça pra ser corrigido quando errar… porque você certamente vai cometer muitos erros, mas as pessoas não se importam com isso, de verdade…
[ Juli C. Borsa | @mochiladajuli | Blog Mochila da Juli ]

FRANCÊS: Difícil resumir em poucas linhas um processo longo, mas frutífero de aprendizado de idioma in loco, mas o desafio do Michel é super válido e adorei o convite! Quando aqui cheguei, tinha três palavras na ponta da língua: “Bonjour”, “Merci” e “Au revoir”, que significam respectivamente Bom dia, Obrigada e Até logo. Falava só inglês e arranhava italiano, e no primeiro almoço conheci uma brasileira que tinha chegado 5 meses antes de mim e falava bastante, então a francesa que ficou responsável por nos receber me disse: “Você vai falar assim em cerca de dois meses”. Dei sorriso amarelo e disse pra mim mesma: “Ah, mas não vou mesmo, vai demorar mais.” Tive de esperar  meses antes de começar o curso, então estudei por conta própria com gramáticas, conversando com as pessoas na rua – sim, encontrei franceses extremamente solícitos que muito me ajudaram – e assistindo muita tv. Tive meus erros, ainda bem, porque deles muito aprendi. Cheguei com um bom nível de conversação no curso de verão, depois fiz o curso anual, mas acho que leitura, tagarelice e curiosidade me ajudaram muito no processo. Também trabalhei como professora de inglês por alguns anos, e lancei mão das ferramentas de trabalho que aprendi nessa época pra conseguir acelerar o processo de aprendizagem, e a mais importante é: não traduzir, mas entender no contexto, assim conseguimos não só entender o significado da palavra, mas também apreender o peso afetivo que ela tem, que é peça chave pra uma comunicação eficaz. A cara de pau também ajuda: se não sei o que significa uma palavra ou expressão, pergunto. É um dos benefícios associados ao meu status de estrangeira, e que devemos usar a nosso favor!
[ Natalia Itabayana de Mattos | @destinoprovence | Blog Destino Provence ]

FRANCÊS: Aprender um novo idioma sempre foi algo que me fascinou: novos amigos, muitos livros, oportunidades que se multiplicam! Quando tinha 14 anos resolvi estudar francês, mas como toda adolescente, tinha mil outras coisas na cabeça e abandonei após uns 6 meses de aula. No entanto, ficou aquele grãozinho de curiosidade que me fez um pouco auto didata… passava horas escutando música francesa, procurando as letras da internet e traduzindo com ajuda de um dicionário de papel… coisa que nem sei mais se existe. Em 2004 comecei a usar o MSN para ter amigos virtuais na França, tinha o hábito de ler as notícias em um site brasileiro e em seguida procurar a mesma informação no Le Monde, fiquei amiga da esposa de um expatriado e íamos juntas no supermercado, ela com minha lista de compras em português, e eu com sua lista em francês. Tudo isso me preparou para o destino (ou será que meu inconsciente procurava alguém pra chamar de “mon amour”?). Em 2006 conheci meu marido, um francês apaixonado pelo Brasil, assim como eu pela França e fizemos um acordo: enquanto ele me escrevia em português, eu corrigia e respondia em francês. Um ano depois decidimos viver juntos na Europa pois ele já tinha 2 filhos e eu não queria separá-los. 2 meses antes da mudança definitiva eu fazia 2 horas de aula particular por dia. Chegando na França, eu já me virava bem, mas passei por situações engraçadas e outras constrangedoras devido aos “falsos-amigos” ou uma pronúncia errada, mas sempre arrisquei! Hoje, depois de 6 anos vivendo na França, e com as malas prontas para retornar ao Brasil, falo com fluência, leio livros de mais de mil páginas, mas escrevo com dificuldade (pois meu foco sempre foi a comunicação oral e não escrita… algo que devo aprimorar com cursos). Faço questão que meus filhos falem os 2 idiomas. Agora, meu próximo objetivo é aprender russo!!!
[ Luciana Coura Vivia ]

ESPANHOL: Quando cheguei em Madrid, há pouco mais de um mês, sabia o básico do básico do espanhol (bom dia, boa tarde, boa noite, números e outras dez ou quinze palavras). O bom é que o espanhol é um pouco parecido com o português, e o ruim é que no início eu não conseguia entender os espanhóis falando, achava que eles falavam muito rápido, mas nada melhor que o tempo. Hoje já estou me virando muito bem em todos os lugares, comecei a ler livro, ouvir música e principalmente rádios locais e fiz alguns amigos. Esse é o principal ponto, faça amigos! A melhor escola para mim está sendo a rua (vizinhos, o caixa do mercado, a dona do bar da esquina e por aí vai).
[ Átila Ximenes | @voucontigo | Blog Vou Contigo ]

INGLÊS: Olá sou a Vivi do Blog viviemuk.com, morei por 5 anos na Holanda e estou morando a quase 2 anos em Londres na Inglaterra. Sou uma eterna aprendiz no inglês, todos os dias surgem novas palavras ou expressões. Fiz alguns cursos na Holanda, na Bristish School, e aqui na Inglaterra fiz um curso de ESOL para estrangeiros no college do meu bairro. Acho extremamente importante falar a língua do país onde você escolheu morar, faz você se sentir em casa. Uma vez na Holanda no supermercado, passei a minha compra e estava já empacotando e a caixa já estava passando a próxima compra, e no ímpeto eu falei para esta pessoa em um tom tipo “fique tranquilo que já estou acabando”, mas no momento saiu NO PREÓCOPES (acento puxado no primeiro O)!!! Era para ser Don’t worry!!! E acabou saindo não se preocupa todo errado!!!! Coisas que acontecem quando falamos inglês em um país onde se fala Holandês e ainda se pensa em português!!!! Saí do supermercado rindo muito e isso é motivo de diversão aqui em casa!!!!
[ Vivian Monteiro | @ViviemUK | Blog ViviemUK ]

Uma opção, que sem dúvida pode ser uma ótima escolha, é o intercâmbio. Eu já fiz e recomendo. Fale com a nossa parceira Egali ou procure uma empresa de confiança. Existem opções para todos os bolsos e idades!

Bom, o post ficou meio longo, mas se você leu até aqui é porque deve estar mesmo afim de aprender um outro idioma :) Agradeço a participação dos amigos convidados e espero que tenham ajudado a dar uma ideia de como pode ser esse grande desafio.

OBS: Como recebemos outros depoimentos, esse post ganhou uma segunda parte! Não deixe de dar um pulo lá para curtir mais histórias interessantes sobre o aprendizado de novos idiomas: Os desafios e dificuldades de aprender novas línguas estrangeiras (Parte 2).

Abraço e muita paz,

Michel P. Zylberberg
www.rodandopelomundo.com

Curta e siga:

Michel Zylberberg

Criei o blog em 2006 para compartilhar as minhas andanças pelo mundo, já rodei por mais de 20 países e gosto de incentivar as pessoas a conhecerem o que esse mundão maravilhoso tem a oferecer! Conto com a colaboração de amigos e convidados para poder trazer um conteúdo relevante e interessante, sempre junto com a minha grande paixão - a fotografia.
  • Pingback: Os desafios e dificuldades de aprender novas línguas estrangeiras (Parte 2) | Rodando Pelo MundoRodando Pelo Mundo()

  • Ingles e a lingua de Madonna, Beatles , Roliing Stones, whitesnake,Elvis, michael jackson, led zeppelin.

  • Ingles já basta

  • Eu já fiz dois intercâmbios. O primeiro para aprender espanhol na Espanha; o outro inglês em San Diego.
    Minha maior dificuldade não foi com os idiomas ou adaptação no país, mas sim manter a fluência depois de tanto tempo sem praticar. O inglês é mais fácil, pois está muito mais presente no dia-a-dia, mas o espanhol perco a cada dia. Eu sei que é muito mais fácil recuperar por ser tão parecido com o português, mas precisarei estudar um pouco novamente.

  • Tania

    Ah.. esse alemão! Trauma!! Sou casada há muito tempo com um suíço alemão. No começo até estudava alemão aqui no Brasil para quando visitasse os familiares do marido. Mas chegava na Suíça e ficava na mesma, sem entender nada, pois o dialeto é bem diferente! Procurei então “aprender” o dialeto, e o que resultou disso é uma misturada danada! Falo tdo errado, mas a gente acaba se entendo…

  • Muito interessante! Pois vivo um pouco de tudo isso. Sou francês e não falo nem escrevo bem o português, esse comentário mesmo conta com dicionário, ajuda do word e os conselhos da minha namorada. É muito difícil aprender o português, encontro ajuda sempre, mas às vezes encontro brasileiros que preferem dar risadas do que ajudar. Sempre encontramos pessoas diferentes, mas isso nunca deve mudar o nosso objetivo… apenas a nossa motivação muda o objetivo. Boa sorte para todos.

  • Li tudinho, e adorei! Até porque estou à procura de quem vai me ensinar a nova língua que escolhi para aprender: o francês… vou aproveitar que aqui em Itajubá tá cheio!!! rs…
    Além disso, vou atrás dos guias..não conhecia e os precinhos estão ótimos!

    bjss

    • Oi Carol, que irado ver você de volta aqui no blog! Francês é uma língua muito legal, tomara que dê certo! Se ficar sabendo de alguém que dá aulas aí te aviso! Os guias são muito bons, super recomendados! Bjo grande!

  • Adorei essa matéria, Michel! Fantástico. Só você mesmo para conseguir reunir tanta gente legal juntas! Parabéns a todos!

  • Acabei de perceber que não falei sobre um momento crucial no aprendizado de idioma estrangeiro: conversas telefônicas. Esse é um marco no processo, porque só podemos contar com a fala da pessoa, sem ter o suporte da leitura labial pra socorrer! Passei por algumas dificuldades no início, mas hoje consigo conversar ao telefone numa boa!

    • Oi Natalia, valeu mais uma vez por ter aceitado o convite! Acho esse ponto do telefone fundamental mesmo, me fez lembrar de quando trabalhei no PUB na Austrália e precisava entender o inglês de estrangeiros (ou até mesmo australianos) bêbados no meio de uma bagunça incrível e música alta. Mas é assim que a gente aprende melhor, na base da “porrada”! :D Bjo e paz, Michel

  • Os franceses têm fama de antipáticos mas, assim como a Natália, encontrei pessoas na rua dispostas a me ajudar. Tinham paciência para eu completar as frases e me explicavam devagar para eu entender.
    Foi em Montréal, no Canadá, onde tive mais dificuldade. Lá o idioma é uma questão de afirmação da cultura francesa, diferenciando a província do Québec do resto do país. Nesse post aqui eu contei um pouco sobre uma situação engraçada que passei no metrô de Montréal:
    http://vontadedeviajar.wordpress.com/aprendendo-falar-frances/

    • Oi Nanda! Dei um pulo no teu blog e curti teu trabalho! Esse lance do orgulho francês com a língua existe mesmo, mas sendo educado tá valendo :)
      Vi também tua viagem pela Turquia, essa viagem está nos planos, não posso morrer antes de fazer o passeio de balão! :D
      Valeu pelo comentário e espero ver você mais vezes dando um pulo aqui no Rodando! Bjo e paz, Michel

  • Um tema que me interesso muito, pois sou apaixonada por idiomas. Busco a cada dia praticar as línguas que já domino e sempre que possível aprender outras. Uma coisa que tem dado muito certo pra mim, é organizar “encontros” pelo Skype com os amigos de viagens que fiz pelo mundo. Assim continuo melhorando meu inglês, espanhol, francês e italiano básico.
    Gostei muito do que a Vivian disse: “Acho extremamente importante falar a língua do país onde você escolheu morar, faz você se sentir em casa”. Morrei nos EUA por quase um ano e era muito comum os estrangeiros não falarem inglês e não demonstrarem o menor interesse por aprender o idioma. Considero um dever aprender o idioma do lugar que se está morando.

    Adorei o post e vou compartilhar.

    • Oi Vânia, tudo bem?
      Que bom que você gostou e compartilhou, fiquei muito feliz! Essa dica do Skype é muito boa mesmo, também procuro falar com amigos estrangeiros sempre que posso. Você já fala 5 línguas, é muita coisa! E precisa praticar porque senão acabamos esquecendo. Falar o idioma local também é fundamental!
      Bjo e paz, Michel