Minha cidade, meu destino: Milão (Magê Santos | Milão nas mãos)



Quantas vezes você pensou em viajar dentro da própria cidade? Muitas vezes deixamos de aproveitar muitas coisas que estão debaixo dos nossos narizes, e foi por isto que convidei alguns amigos especiais para participarem da série“Minha cidade, meu destino”, onde cada um irá publicar 5 fotos e 5 dicas especiais. Chegamos ao décimo quinto post da série, e esse “Debut” nos enche de orgulho, por ter contado com a participação de grandes blogueiros falando sobre os mais diversos destinos mundo afora. Como toda festa de debutante que se preze, a Magê Santos do blog Milão nas mãos caprichou e foi muito além das 5 dicas, ela compartilha 5 categorias para você aproveitar o que a cosmopolita capital da moda tem de melhor!

Quando me candidatei a participar da série “Minha cidade, meu destino” logo comecei a me preocupar com uma dificuldade minha quando tenho que falar de Milão: conseguir escolher poucas coisas. Nesse caso, eram cinco.

Fiquei com aquilo na cabeça por dias, até que resolvi escolher 5 categorias, assim poderia reunir uma série de dicas da cidade que me recebeu há 11 anos, quando me casei com um milanês.

O meu encantamento por Milão era coisa de adolescente, coisa de páginas de revistas, onde eu via essa cidade elegante, já capital da moda. Depois que cheguei na cidade dos meus sonhos tudo isso só aumentou, porque só quem vive aqui sabe que Milão vai muito além da moda. É uma cidade discreta, de beleza pouco óbvia e com uma história riquíssima. Aqui está o meu potpourri de Milão para vocês.

O melhor do centro
Estão em todos os guias de turismo e não tem como fugir deles (e nem devem). Os grandes símbolos da cidade estão concentrados no centro. O majestoso Duomo de Milão impera absoluto na praça, com seus 135 pináculos e mais de 2.000 estátuas. Não deixe de visitar o telhado e os subterrâneos de uma das mais importantes catedrais góticas do mundo.

Mas a praça também hospeda pérolas como o Palazzo Reale (sede de importantes mostras), o Museu Novecentos e a famosa Galeria Vittorio Emanuele, construída entre 1865 e 1877 para ser um elegante corredor coberto que ligasse a praça Duomo à praça Scala. Entre e caminhe devagar, olhando para cima e apreciando os afrescos, estátuas e a magnífica cúpula de vidro. A lenda turística aconselha a apoiar o calcanhar no famoso toro a mosaico que fica no chão quase em correspondência com a cúpula e dar 3 voltinhas. Todo mundo faz.

Atravessando a Galeria Vittorio Emanuele, você vai encontrar a Praça Scala, que tem o nome de um dos mais famosos teatros de lírica do mundo. O exterior do teatro não impressiona, mas não deixe se desiludir: compre um ingresso para visitar o museu do teatro e você vai poder dar uma espiadinha na sala. Suntuosa!

E já que você está pelas imediações, não deixe de entrar na loja de departamentos La Rinascente para dar uma olhadinha e na saída prove o delicioso panzerotto do Luini que fica ali do lado, na Via Radegonda.

Do lado oposto da Praça Duomo, pegando Via Dante, você vai encontrar o nosso castelo medieval, o Castelo Sforzesco, sede de muitos museus municipais da cidade.

Os museus
As opções de museus em Milão são realmente incríveis, mas infelizmente as vezes eu tenho a impressão que os turistas conhecem mais as lojas do que as coleções de arte dessa cidade. Uma pena, porque tem para todos os gostos.

Se você gosta de arte antiga e história, visite o Museu Arqueológico e o Museu de Arte Antiga do Castelo Sforzesco.

Para quem quer o melhor da arte italiana dos grandes nomes, não pode deixar de visitar a Pinacoteca de Brera, a Pinacoteca do Castelo e a Pinacoteca Ambrosiana: Da Vinci, Caravaggio, Rafaello, Tiziano, Bergognone, Luini, Piero della Francesca. A lista é tão longa que daria um outro post.

Para os amantes da arte contemporânea a cidade oferece dois grandes e novos museus: o já citado Museu Novecentos na Praça Duomo e a belíssima Gallerie d’Italia na Praça Scala com o seu Canteiro 900. Essa última é a coleção privada de um banco e exibe também, em dois maravilhosos palácios uma coleção dedicada a arte do século 19. Até o momento a Gallerie d’Italia tem entrada gratuita e vale realmente uma visita.
Para os interessados em arquitetura , design e gráfica, Milão é a cidade ideal e você não pode deixar de visitar a famosa Triennale que tem sempre um calendário recheado de mostras sobre os temas.

Mostras temporárias e instalações interessantes você encontra no espaço HangarBicocca, que tem entrada gratuita.

E para fechar (por que a lista seria realmente imensa), a cidade também tem quatro casas-museus de valor histórico e artísticos imensos. No centro ficam a Poldi Pezzoli e Bagatti Valsecchi, duas casas do final do século 19 repletas de obras de arte e móveis expostos nos quartos e salas como se o tempo não tivesse passado. No eixo do Corso Venezia encontramos a minha menina dos olhos, a Villa Necchi Campiglio (1935) e a casa Boschi De Stefano (1950) que expõe a coleção privada de obras do século 20 do casal que morava ali.

Compras
Talvez alguém pense que tudo já tenha sido dito sobre compras em Milão, afinal, o turista que chega aqui já sabe onde ir. Para as compras de luxo todos correm para as ruas da moda (Via Montenapoleone, Sant’Andrea, Spiga e Manzoni) e arredores. As compras mais acessíveis, mas não menos interessantes, estão no eixo de ruas como Corso Vittorio Emanuele, Corso Buenos Aires e Corso Vercelli.

Mas se você quer realmente sair do óbvio e experimentar compras mais interessantes e descoladas, a minha dica é se aventurar em Corso di Porta Ticinese e arredores que propõe lojas e brechós realmente interessantes como Cavalli e Nastri, Wait and See, My Room, Serendeepity, Par5 e muitas outras.

Em Brera e Corso Garibaldi você também encontra opções legais para compras descoladas.

Bairros
Pouco ou muito tempo que você tenha, deixe de ficar dando voltinhas só pelo centro e se adentre para um passeio sem compromisso entre as lojas, galerias e brechós em bairros como Brera e Navigli ou procure um restaurante legal na interessante Zona Tortona, área industrial da cidade nos anos 60 que hoje foi redescoberta por artistas e estilistas que ali transferiram estúdios e escritórios.

O recente fenômeno da verticalização de Milão você pode ver em bairros como Porta Nuova e Milano City Life, a área da ex feira que está se transformando em um parque e bairro residencial.

Happy Hour
Aqui é chamado de aperitivo, existe em todo o país, mas o happy hour que hoje todo mundo frequenta na Itália foi inventado aqui. Milão é “a” cidade do aperitivo. A partir das 18 quase todos os bares, centrais e periféricos, caros e baratos, descolados e chiques propõe um buffet de infinitos pratos disponíveis para quem entrar para tomar um drink, que tem preços por volta dos 10-12 euros (alguns bares e restaurantes não têm buffet e servem à mesa um prato com uma seleção de petiscos).

Você descansa depois de um dia de turismo, toma um drink, come e vive a cidade como um milanês.

Aventure-se então nos mais diferentes bares da área do Navigli, Brera, Porta Nuova ou no centro. Spritz, Terazza Aperol, Corsia dei Giardini, Cream Lounge, Bar Brera e Jamaica são só algumas das muitas opções em Milão que você pode conhecer.

Magê Santos
Blog: www.milaonasmaos.it
Facebook: facebook.com/Milao.nas.maos
Twitter: @Milaonasmaos
Instagram: @milaonasmaos
Google+ | Pinterest

Confira todos os posts da série “Minha cidade, meu destino”.

Curta e siga:

Michel Zylberberg

Criei o blog em 2006 para compartilhar as minhas andanças pelo mundo, já rodei por mais de 20 países e gosto de incentivar as pessoas a conhecerem o que esse mundão maravilhoso tem a oferecer! Conto com a colaboração de amigos e convidados para poder trazer um conteúdo relevante e interessante, sempre junto com a minha grande paixão - a fotografia.
  • Lendo sua postagem descobri que ainda preciso voltar a Milão e rever os lugares por onde andei e principalmente, os lugares que deixei de conhecer que são muitos. Entre Julho/Agosto vou tentar fazer esse compromisso comigo mesmo e encher a mala e o computador de boas lembranças…

    • Boa Walter, falei com a Magê porque ela trabalha como guia deve ter muito mais dicas super especiais!
      E vamos mesmo marcar esse encontro por aqui quando vier, hein? Abração!

  • Eu já fui várias vezes para Milão, mas vejo que ainda tem muita coisa para descobrir!!! Ficou ótimo o post! Bjs de Berlim Claudia