Rodando por St. Moritz, um dos principais destinos turísticos da Suíça (parte 2 – Snowboard)



Depois do post falando sobre a viagem, chegou a  vez de contar tudo sobre a aula de Snowboard, a primeira vez que me aventurei nesse esporte! Na terça acordamos cedinho pra tomarmos um bom café, pois as 8:30 o professor de Snowboard já pegaria a gente na porta do hotel. Um tal Filippo Crudeli, um cara de fala mansa e super tranquilo, chegou pontualmente e partimos pra loja Skiservice Corvatsch de Signalbahn pra alugar o equipamento, onde o Patrik nos serviu com um atendimento de primeira qualidade! Bota especial e capacete ajustados, era hora de irmos para o destino, uma pista exclusiva do complexo do Hotel Suvretta House (5 estrelas). O tempo estava nublado e não poderíamos subir até o ponto mais alto da pista por causa da forte neblina, mas provavelmente não subiríamos mesmo, porque como era a primeira vez que eu tentaria me aventurar com o Snowboard, decidimos usar o espaço da escola das crianças. (Será que ouvi risadinhas de alguém aí lendo o texto? :D ) Eu, depois de burro velho, tentando os primeiros movimentos no Snow e a criançada de 4/5 anos já pulando rampa e obstáculos. Vida cruel! Mas esse “tango” na neve com o Filippo “Crudo” devagarzinho foi dando os primeiros resultados. Eu nunca consegui andar de skate e tentei surfar algumas vezes sem muito êxito, mas com o Snow me senti mais “em casa” e aos poucos fui destravando, pegando o jeito. Uma coisa é certa, ter aulas no começo é fundamental para evitar erros e ter uma boa base. E, claro, também diminuir as chances de se machucar. Primeiro pratiquei a descida mais básica, virado de frente para a pista e levantando os pés para controlar o ritmo e direção da descida. Dessa forma passamos pra pista maior e desci umas 3 vezes na boa. Depois foi a vez de treinar a descida de costas pra pista, que achei bem mais difícil, por não poder ver onde estava indo. Mas também consegui pegar o jeito, sempre com a grande ajuda do Crudo acompanhando de perto e dando uns toques. Ele até aproveitou para filmar algumas dessas decidas, mas acabou que as baterias do celular e da máquina fotográfica descarregaram por causa do frio. É um problema muito comum, mas sorte que ainda conseguimos registrar alguns momentos.

[vimeo width=”500" height=”375"]http://vimeo.com/63225293[/vi[/vimeo]

Com a descida de frente e costas no currículo, passamos pra parte das curvas alternando frente e costas, movimento que achei bem mais complicado, mas pegando o tempo certinho, até que consegui me sair bem. O segredo é alternar de uma pra outra fazendo um trecho em descida vertical entre elas. Costas-reto-frente e vice-e-versa. Claro que na teoria aqui parece tudo bem fácil, mas o Crudo me explicava que, como em todos esportes, depende de cada um. Ele contou que tem gente que precisa de uma semana de aula pra conseguir pegar uma base legal, outros literalmente “travados” encontram ainda mais dificuldades. Mas ele já deu aula para muitos brasileiros (falando em inglês ou italiano) e elogiou nós, órfãos de neve, que acabamos aprendendo em pouco tempo. Minha esposa também aproveitou e colocou em prática um pouco do que já havia aprendido uns anos antes. É incrível como a base fica, mesmo com tanto tempo sem praticar. A pista também ajudou bastante, pois a infra-estrutura é toda pensada para facilitar o aprendizado. Mas o fator idade também pesa, impressionante como a criançada pega o jeito rapidinho. O ideal é aprender até uns 13 anos, mas não existem regras nem limites, só a idade mínima que é a partir dos 4 anos (ou 3, não sei ao certo).

Eu fechei essa experiência com elogios, mas ainda com receio de tentar sozinho, porque a minha maior dificuldade acabou sendo na hora de levantar e começar a descer. Para ajeitar a prancha nos pés precisava ser sentado, aí para levantar eu acabava caindo de novo ou saindo meio sem jeito, mas também é questão de prática (e um pouco de músculos abdominais substituindo a pança de cerveja). Não gosto da palavra arrependimento, mas poderia ter deixado a preguiça de lado e tentado muito antes, já que o que não falta por aqui é neve!

Se você pensa em fazer um curso de Snowboard ou esqui em St. Moritz, a temporada de inverno vai de dezembro até metade de abril, e no auge do inverno a escola chega a contar com 200 professores. Os preços variam muito, então faça uma pesquisa nesse site com todas escolas de Snowboard e Esqui da região de St. Moritz. Nele você também poderá fechar pacotes para grupos, aulas privadas ou também alugar equipamentos e comprar o “ski pass” – tudo online. Depois da aula convidamos o Crudo pra um almoço perto do hotel e acabei descobrindo que ele era profissional e tinha participado de competições oficiais durante dez anos, tinha até patrocínio da Quiksilver! Pendurou as chuteiras em 2012, depois de cansar de arrebentar o joelho, mas passa o ano todo dando aulas nos Alpes, entre Suíça e Itália. Ele tem um blog com um material super legal, o endereço é filippocrudeli.wordpress.com

Agradeço mais uma vez o apoio da Engadin St. Moritz e Suíça Turismoque, através dos parceiros citados acima, nos apoiaram nessa aventura. Confira como foi a nossa viagem no link abaixo, espero te rever em breve por aqui com o quarto post dessa série sobre a incrível região de St. Moritz!

Leia também aqui no blog:
Rodando por St. Moritz | parte 1 – a viagem

Rodando por St. Moritz | parte 3 – Muottas Muragl

Abraço e paz,

Michel P. Zylberberg
www.rodandopelomundo.com
facebook / twitter

Curta e siga:

Michel Zylberberg

Criei o blog em 2006 para compartilhar as minhas andanças pelo mundo, já rodei por mais de 20 países e gosto de incentivar as pessoas a conhecerem o que esse mundão maravilhoso tem a oferecer! Conto com a colaboração de amigos e convidados para poder trazer um conteúdo relevante e interessante, sempre junto com a minha grande paixão - a fotografia.
  • Olá! Muito interessante seu blog. Adorei. Estarei em Paris em dezembro deste ano e gostaria de saber qual a melhor forma de chegar à Saint Moritz… não encontrei muita coisa na internet. Obrigada

    • Oi Nathália, tudo bem? Que bom que gostou do blog. A melhor forma acredito que seja pegar o trem TGV de Paris até Zurique e depois lá você encontra um trem normal que vai até St. Moritz. Pode ver este trem no site http://www.sbb.ch
      Boa viagem, abraço! Michel

  • Olha Michel, achei legal o elogio do professor muito gente boa, mas essa de que brasileiro aprende rápido nao sei nao. Eu por exemplo sou uma negacao! Já você!!!! Parabéns, quem já experimentou sabe que nao é pra qualquer um :o) Bjs Claudia

  • Cara! Você mandou muito bem! O vídeo comprova. Na minha única aula de ski da vida, não consegui ficar de pé nem metade desse tempo que você ficou. E olha que ouvi dizer que ski é mais fácil! Abração aí e parabéns pelo post

    • Valeu irmão! Ski parece ser bem complicado, esse sim eu nunca vou tentar! :D Na próxima tenta com o snowboard, se eu consegui, todo mundo consegue! Abração e valeu pela força de sempre!

  • Manolo, mandou bem demais!

    É bem divertido né não? Preciso te visitar aí pra gente fazer um teste: mandamos melhor bêbados ou sóbrios.

    hahahahaha abraço!

    Jonathan Padua

    • Valeu Bro! Bom demais ver vc passando por aqui, ainda mais com a proposta de um teste desse! Apesar de eu já saber a resposta! :D
      Abração! Michel

  • Michel vc foi muito bem, meu marido já se arriscou qdo estivemos no Chile, mas ele capotou tanto que qdo chegou no final da descida passou muito mal, tipo marinheiro de primeira viagem mesmo, sem aulas nem nada, achou que fosse fácil, vendo a performance das crianças a gente se engana rsr, eu fiquei sentada no topo da montanha tomando vinho e olhando a paisagem branca, rsrsr não me arrisquei!

    Não vi a primeira postagem desta série, vou dar uma olhada! Abraçossss

    • Oi Kellen, eu sempre tive medo de me machucar, mas até que foi bem legal! Sei que tem muita gente que demora muito pra pegar o jeito, mas deve ser a minha familiaridade com a neve depois de tanto tempo aqui :D

      Deixa pra tomar o vinho e curtir a paisagem depois do snow/esqui, vale muito a pena tentar! Abraço e valeu pelo apoio de sempre!